Clube da Série A criou nova função só para contratar Fernando Lázaro, que foi descartado pelo Corinthians

A boa relação entre Fernando Lázaro e Luis Vagner Vivian, além do projeto de reestruturação do centro de análise do Grêmio, foram cruciais na contratação do ex-auxiliar do Timão, que diminuiu salário e se afastou do campo.

Em janeiro deste ano, o Grêmio anunciou o ex-Corinthians Fernando Lázaro como o novo coordenador do setor de análise e desenvolvimento. Além da chegada de Fernando Lázaro na equipe tricolor, sua função também foi novidade, pois não existia no clube até sua chegada.

O ex-Corinthians abriu mão de um salário mais alto e foi para o Grêmio para aproximar o trabalho da comissão técnica com o do centro de análise de mercado. Aos 42 anos de idade, Lázaro que teve uma longa trajetória no Corinthians, além de experiência na seleção brasileira, o ex-auxiliar técnico aceitou receber um salário mais baixo para ser o responsável pelo elo entre o setor de análise de desempenho, observações de mercado e comissão técnica.

Apesar de ser um trabalho diferente do que Lázaro atuava no Corinthians, o responsável pela contratação do profissional, Luis Vagner Vivian, afirmou que Fernando Lázaro fazia algo parecido no Timão e que a diferença no Grêmio é que o profissional ficará longe dos holofotes.

“Fernando é oriundo de análise, mas foi fazendo a transição para o campo pelo conhecimento que tem. Acabou sendo mais auxiliar do Corinthians, mas sempre teve o link na parte de mercado e desempenho. No Corinthians era um núcleo só que ele coordenava. Ele fazia essa ligação também” – explicou o executivo de futebol.

Essa desenvolvimento no departamento de futebol do Grêmio é algo que vem sendo trabalhado por Luis Vagner desde a chegada do dirigente em Porto Alegre. Além disso, o analista de mercado Gustavo Marrone se desligou do clube no ano passado. Assim, o executivo aproveitou para promover mudanças no setor.

“Uma função multidirecional, que vai traçar o perfil de jogador carente no elenco. Tem ligação com a parte técnica, pois ele tem que entender a forma que o jogador quer jogar. Estou há cinco meses entrevistando pessoas, examinando o mercado, até chegar nessa pessoa (Fernando Lázaro) que tem capacidade para isso. Não tem grana para contratar, então muitas vezes precisamos de um bom jogador capaz de fazer mais uma função no campo” – explica Luis Vagner.

Comentários estão fechados.