Corinthians deve acabar perdendo Éverton Ribeiro e Claudinho de uma vez só

Com a reformulação quase que total do elenco em pauta princpal, o Corinthians teve grandes jogadores ligados a uma transferência para o clube durante toda temporada. Claudinho e Éverton Ribeiro foram dois nomes associados a um possível retorno ao Parque São Jorge.

Ambos os jogadores seriam adições que elevariam o nível do meio-campo do time alvinegro e aumentariam suas chances de competir por títulos.

No entanto, parece que essa possibilidade não se concretizará, pois, de acordo com informações do Paparazzo Rubro-Negro, o Flamengo e Éverton Ribeiro chegaram a um acordo para estender seu contrato até dezembro de 2024.

O meia, de 34 anos, recebeu sondagens de diversos clubes brasileiros, mas optou por permanecer no Flamengo. Enquanto isso, o Palmeiras parece estar planejando uma investida no meia Claudinho, que atualmente joga pelo Zenit, ao término da temporada.

O jogador, que já teve seu nome associado ao Alviverde no passado, está previsto para receber uma oferta mais substancial do que o inicialmente esperado em breve. Além do Palmeiras, o Flamengo também está de olho na situação de Claudinho.

A diretoria do Corinthians declarou ao portal ‘Bolavip’ que não tem interesse em nenhum dos dois jogadores. O primeiro jogador chegou a ser sondado, mas como mencionado anteriormente, ele renovou seu contrato com o Flamengo.

Em relação a Claudinho, ele é considerado “caro” pelo Corinthians. Augusto Melo, candidato da oposição nas eleições presidenciais, também foi contatado e rapidamente negou qualquer interesse na contratação dos jogadores.

Finanças para 2024

O orçamento revisado do Corinthians para o ano de 2023 prevê que o clube encerre o ano com um superávit de R$ 20 milhões, o que significa que suas receitas devem superar suas despesas. A receita total prevista está próxima de R$ 1 bilhão, o que está acima do montante da dívida do clube.

O Corinthians espera alcançar uma receita bruta de R$ 909 milhões neste ano, o que representa um montante superior aos R$ 892 milhões da dívida do clube. Esse cenário é conhecido como “turnaround” e é motivo de comemoração interna, já que reverte a tendência de anos anteriores em que o clube enfrentou dificuldades financeiras.

A relação entre receita e dívida no Corinthians apresenta uma melhora significativa em comparação com anos anteriores. Em 2020, no final da gestão de Andrés Sanchez, a dívida do clube era o dobro da arrecadação naquele ano. Atualmente, essa relação é de um para um, o que é um avanço notável.

Essa melhora na relação entre receita e dívida não se deve à redução da dívida em si, mas sim ao aumento das receitas. A arrecadação mais do que dobrou durante a gestão de Duilio Monteiro Alves. A dívida, por outro lado, permaneceu praticamente no mesmo patamar, com apenas 6,1% a menos.

É importante ressaltar que a dívida tem um impacto considerável nas finanças do clube, com uma parcela significativa de despesas relacionadas a juros, que totalizam R$ 131 milhões anuais. Essa quantia representa 13% de todas as receitas projetadas para o Corinthians em no ano atual.

Comentários estão fechados.