Corinthians foi denunciado por possível esquema de lavagem de dinheiro

A notícia de que a Polícia Civil do Estado de São Paulo abriu um inquérito para investigar alegações de lavagem de dinheiro no Corinthians caiu como uma bomba nos bastidores do clube.

A solicitação para a abertura da investigação foi feita em setembro pelo delegado Tiago Fernando Correia, após o Ministério Público receber três denúncias distintas e anônimas em datas diferentes.

A investigação abrange o presidente Duilio Monteiro Alves, o ex-presidente Andrés Sanchez, os conselheiros André Luiz de Oliveira (candidato à presidência pela situação), Manoel Ramos Evangelista e o empresário Fernando Garcia.

O objetivo do inquérito é apurar se eles utilizaram recursos financeiros do clube para benefício pessoal e se compartilharam informações confidenciais de forma inadequada com terceiros. As denúncias recebidas pela polícia alegam a existência de transações financeiras fraudulentas envolvendo jogadores, contratações e patrocínios.

A investigação está sob a responsabilidade da Divisão de Investigações sobre Crimes contra a Administração, Combate à Corrupção e Lavagem ou Ocultação de Bens, Direitos e Valores.

Resposta

A diretoria do Corinthians se manifestou em relação a denúncia para o portal UOL;

“Pessoas inescrupulosas novamente se utilizam do anonimato para tentar, caluniosamente, envolver o clube e terceiros em investigações. Há pouco tempo também assim agiram de forma similar, mas, como só poderia ser, essa apócrifa denúncia, sem amparo, foi sumariamente arquivada. Agora, por ser mera repetição e diante da absoluta falta de justa causa, novamente também será arquivada…”

“Estamos, porém, solicitando investigação policial para tentar descobrir quem fez a denúncia caluniosa e falsa comunicação de crime e quais são seus reais motivos, justamente para que seja(m) correta e devidamente, responsabilizado(s)”, disse o Corinthians em nota.

Comentários estão fechados.